Inteligência de Negócios na Odontologia

Há algum tempo atrás, eu ouvi em uma palestra, a pergunta que mais me impactou até hoje. Se você fosse obrigado a parar de trabalhar hoje por qualquer motivo, quanto tempo você sobreviveria?


Essa pergunta me fez refletir sobre tudo o que eu estava fazendo com o meu negócio, pois a resposta era que eu não conseguiria sobreviver nem um mês com o dinheiro que eu tinha na conta.


Foi aí que a ficha caiu. Eu percebi que precisava colocar em prática tudo o que eu havia aprendido sobre inteligência de negócios nos anos em que trabalhei como vendedor do mercado odontológico e em outros segmentos, e principalmente, o que aprendi na graduação e pós-graduações.


Nesse artigo, eu irei compartilhar com você:


  • Gestão de riscos;

  • Um conceito da PNL que envolve todos os fatores decisivos de um planejamento de negócios;

  • 6 Tipos de crenças que mais te atrapalham;

  • 9 Competências necessárias para o sucesso nos negócios;

  • 10 Comportamentos que fazem a diferença;

  • 9 Pontos a serem estudados sobre o ambiente;

  • 10 Lições de casa para colocar em prática à partir de hoje.


Começamos falando sobre gestão de riscos porque a grande maioria das pessoas não acredita que seja algo tão importante assim.


Primeiro, vamos a definição de risco. Risco é tudo aquilo que pode acontecer de forma inesperada, seja algo bom ou ruim. No Brasil, é comum associarmos a palavra risco somente a coisas negativas, mas se você jogar na mega sena, você corre o risco de ficar milionário. Se você procura uma pessoa para se relacionar e decide sair de casa, você corre o risco de conhecer alguém legal.


Em uma aula sobre gestão de risco na pós-graduação de administração de empresas, um professor deu dois exemplos de como uma empresa que não pensa em riscos, pode sofrer uma queda muito grande ou até chegar a falência.


O primeiro exemplo foi o de um circo que tinha no portfólio de apresentações um homem que colocava a cabeça dentro da boca de um leão. Os administradores do circo nunca pensaram que um dia o leão pudesse fechar a boca e, infelizmente, foi o que aconteceu em uma das apresentações. O resultado foi que o artista morreu e o circo teve que pagar uma indenização gigantesca levando ao fechamento.


O segundo exemplo foi o de um cassino em Las Vegas. Quando uma pessoa ganha mais que dez mil dólares em um cassino, é preciso declarar a receita federal dos Estados Unidos. O que aconteceu foi que havia um funcionário responsável por lançar essas declarações no sistema e ele era fumante. Então, ele costumava colocar os formulários das declarações embaixo do teclado do computador e lançava um a um. Certo dia, ele decidiu ir fumar e deixou alguns formulários embaixo do teclado, como de costume, e outro funcionário achou que ele já havia lançado e recolheu os formulários. Por não ter declarado alguns prêmios, o cassino teve que pagar uma multa milionário, o que levou ao seu fechamento.



Existem diversos outros exemplos em que se fosse investido tempo para analisar possíveis riscos ao negócio, muitos deles não teriam sofrido uma queda brusca ou, até mesmo, chegado a falência como nos dois exemplos citados.


Por isso que aquela pergunta mexeu tanto comigo. Pois, uma das primeiras lições sobre finanças em inteligência de negócios é que, nós precisamos ter uma reserva de caixa, de pelo menos seis meses para honrar os nossos compromissos, caso ocorra alguma eventualidade de qualquer natureza.


Mas esse é apenas um dos fatores que influenciam os negócios de forma geral. Para abordar os outros elementos de inteligência de negócios, irei utilizar um conceito da PNL - Programação Neurolinguística do Robert Dilts, chamado Níveis Neurológicos.


Apesar de ser apresentado em forma de hierarquia, todos os níveis influenciam uns aos outros.


Para exemplificar como funciona a lógica desse estudo, irei compartilhar informações do meu negócio.


Eu comecei a atuar efetivamente com coaching, palestras, treinamentos e consultoria em 2016. Como eu não tinha dinheiro para locar uma sala particular, eu decidi transformar um dos quartos do apartamento em um escritório. Coloquei uma mesa para apoiar o computador, impressora e os demais materiais de escritório, uma cadeira confortável, prateleiras para os livros, tudo como manda o figurino. Ou seja, eu estava efetuando ações que estavam ligadas ao nível mais baixo da pirâmide, o ambiente.


O fato é que, passaram dois meses, três meses, seis meses e os resultados não aconteciam na velocidade que eu gostaria. E a resposta está nesse conceito. Porque os meus comportamentos não estavam adequados aos de uma pessoa que realmente gostaria que o negócio fosse para frente. Pois, eu acordava por volta das oito horas da manhã. Trabalhava de bermuda e chinelo. Deixava a televisão ligada. Não tinha horário certo para trabalhar. Resumindo, nunca que o negócio iria prosperar.


Então, não adianta nada o ambiente estar 100% se os comportamentos não estiverem alinhados. O mesmo vale para todos os andares da pirâmide. Mesmo que os meus comportamentos estivessem alinhados com o ambiente, mas se eu não tivesse as competências necessárias, práticas e teóricas, para fazer meu trabalho, de nada adiantaria. E assim por diante.


O segredo está em alinhar todos os níveis da pirâmide. E a melhor forma de fazer isso é começando pelo nível mais alto, o Propósito. Pois se você não tiver um porquê bem definido e bem claro, dificilmente consegue-se manter um nível alto de motivação.



Propósito


Pense por um momento em pessoas que você acredita serem bem-sucedidas. Agora responda a pergunta: você acredita que essas pessoas têm um objetivo e um propósito muito bem definido ou as coisas foram acontecendo para elas de forma espontânea? Pode ter certeza que, a grande maioria, se não todos, têm um propósito maior, seja consciente ou inconsciente, que levaram elas chegarem aonde chegaram.


A primeira lição de casa que você tem que fazer então é descobrir o seu porquê. Responda a pergunta e anote em um papel: Por que você faz o que você faz?



Identidade


Agora que você já conhece o seu porquê, é hora de analisar como você se enxerga como ser humano, a sua identidade.


Quando eu escolhi a minha faculdade, eu não tinha a menor ideia do que iria fazer. Só pensava que eu queria ganhar dinheiro para sair com meus amigos, levar a namorada para passear e as coisas normais que os jovens costumam pensar nessa fase da vida.


É comum as pessoas pensarem primeiro em dinheiro quando precisam decidir o que vão fazer. Não acho errado e nem condeno quem pensa assim. Mas eu descobri algo simples que, para mim, faz muito mais sentido para os negócios e minha vida pessoal também.


É algo chamado de Ser - Fazer - Ter.


Quando uma pessoa pensa primeiro no dinheiro, ela coloca o Ter no lugar do Ser. E se você colocasse o Ser no lugar do Ter, o que aconteceria? Vou dar o meu exemplo.


Eu quero ser referência mundial em inteligência de negócios no mercado odontológico.


Agora que eu já sei quem eu quero Ser, fica muito mais fácil para eu saber o que eu tenho que fazer para atingir isso. Fica até, muito mais fácil, dizer não para as coisas que me levam na direção contrária. E o Ter, que ficou em último lugar, mas é, também, muito importante, acaba sendo uma consequência. Pois, alguém que se torna referência mundial em qualquer coisa, acaba tendo muito mais que as pessoas que não são referência no mundo todo.


Talvez, você não seja tão ambicioso quanto eu. Não tem problema nenhum. O objetivo não é julgar ninguém pelos seus desejos, mas sim apresentar ferramentas de como se sentir realizado pessoalmente e profissionalmente.


Essa técnica é muito simples. Basta você identificar os seus papéis principais na vida e fazer uma descrição de quem você quer Ser em cada uma delas. Como pai, por exemplo, eu quero ser um pai amoroso, presente e ter firmeza quando tiver que orientar o meu filho. Acredito que esses três fatores são mais do que suficientes para criá-lo da melhor forma. Mas, se eu tiver que abrir mão da presença com o meu filho e a minha família para me tornar referência mundial em inteligência de negócios no mercado odontológico, eu irei mudar a minha declaração do Ser profissionalmente.


A segunda lição de casa é fazer as suas declarações de quem você quer ser nos principais papéis que você exerce em sua vida.



Crenças e Valores


Crença é tudo aquilo que você acredita e valor é tudo aquilo que é importante pra você.


Com esses dois recortes do filme Procurando Nemo, fica mais fácil de entendermos como as crenças são formadas e como conseguimos reprogramá-las.



Nessa primeira cena, o pai diz ao filho que ele nunca vai conseguir sair do desafio sozinho. Apesar do pai não desejar mal para o filho, ele acaba de instalar uma crença de incapacidade no menino.


Agora vejamos o mesmo desafio, mas com um coach em cena. rs



Se o Nemo não tivesse cruzado com o Gil em sua vida, ele poderia ter passado a vida inteira acreditando que não poderia resolver os seus problemas sozinho.


Além das crenças de incapacidade, existem outras 5 que também atrapalham muitas pessoas. Vejamos os 6 tipos de crenças que mais atrapalham o desenvolvimento pessoal e profissional.


Identidade: quando a pessoa acredita que características, personalidade, adjetivos, etc. fazem parte da sua identidade. Por exemplo: "Eu sou tímido", "Eu sou desorganizada", etc.


Capacidade: quando a pessoa não acredita em si mesma. Acha que sempre falta alguma coisa para se lançar no mercado. Valoriza em excesso o que os outros pensam a seu respeito.


Merecimento: quando a pessoa acredita que não merece coisas boas, normalmente, devido a não se perdoar por erros do passado ou por ter ouvido de outras pessoas que ela não é merecedora.


Trabalho: quando a pessoa acredita que, para o dinheiro recebido ser merecido, tem que ser de forma suada, sofrida ou lutado.


Vendas: quando a pessoa acredita que vender é fazer algo ruim, tirar proveito dos outros, etc.


Dinheiro: quando a pessoa acredita que o dinheiro é a razão de todos os males, não traz felicidade, causa discórdia, etc.


A terceira lição de casa é identificar quais desses tipos de crenças podem estar te atrapalhando.



Habilidades e Competências


Competência é aquilo que você pode aprender e desenvolver em um curso, um livro, vendo alguém fazer algo, etc.


Habilidade é quando você coloca em prática uma competência por tanto tempo, que ela se torna automática.


Acredito que existem 9 competências necessárias para ser bem-sucedido nos negócios. São elas:


Técnica: competências técnicas de um determinado serviço. Por exemplo, para ser um implantodontista é preciso fazer um curso de atualização ou especialização em implantodontia para ter acesso ao conhecimento técnico.


Vendas: é preciso conhecer técnicas de vendas para vender o seu produto ou serviço e, até mesmo, para saber se vender. Nenhuma empresa ou negócio sobrevive sem vendas.


Marketing: assim como é preciso saber vender, é preciso entender como fazer um estudo de mercado e como criar estratégias através desse estudo.


Comunicação: já dizia o saudoso Chacrinha, "Quem não se comunica, se trumbica". Saber se comunicar de forma eficiente é primordial para o sucesso nos negócios. Além de saber se comunicar bem com os outros, é preciso, dominar a arte de se comunicar bem consigo mesmo.


Negociação: saber técnicas de negociação ajuda bastante na gestão do negócio ou da carreira.


Empreendedorismo: não importa se você trabalha como empreendedor, empresário ou empregado, ter visão de dono de empresa é um diferencial muito valorizado.


Finanças: não é preciso ser um mago das finanças, mas é preciso ter uma noção das ferramentas básicas, como: DRE, Fluxo de Caixa, separar contas de pessoa física e jurídica, gastar menos do que ganha, fazer uma reserva financeira, etc.


Liderança: mesmo que você não tenha ninguém sob a sua liderança, é preciso aprender sobre esse assunto para, ao menos, conseguir liderar a si mesmo.


Negócios: ter uma visão de negócios e empresarial é essencial para o sucesso na sua carreira.


Não é preciso fazer um MBA, cursos muito extensos ou ler centenas de livros para adquirir esses conhecimentos. Existe um livro, chamado A Lei do Triunfo, que contempla todos esses ensinamentos, exceto os técnicos.



Se você não for muito adepto da leitura, pode ler Quem pensa enriquece, que é uma versão resumida da Lei do Triunfo.



Outro livro muito interessante é A Estratégia do Oceano Azul, que trata de empresas que conseguiram fugir de oceanos vermelhos onde a guerra por preço prevalece e criaram novos segmentos de mercado em suas áreas.



Você pode aprender também em programas de televisão, como: Shark Tank, O Aprendiz, O Sócio, Pequenas Empresas e Grandes Negócios, etc.


Shark Tank Brasil


Ou ainda, em jornais e revistas de negócios, como: Você SA, Forbes, Exame, Valor Econômico, etc.



A quarta lição de casa é escolher um dos três livros para começar a ler e um dos programas para começar a assistir.



Comportamentos


Normalmente, aqui é que está á maior parte dos problemas e o maior problema é que não sabemos que os nossos comportamentos são reflexo direto das nossas crenças. Saiba que todos os seus comportamentos, mesmo os que você não gosta, estão alinhados com as suas crenças inconscientes. Todos eles são congruentes com aquilo em que você realmente acredita. Por isso, a importância de fazer um levantamento das suas crenças para identificar onde estão as limitações.


A seguir, listamos 10 comportamentos considerados essenciais ao sucesso nos negócios:


Objetivo principal definido: para que você consiga utilizar o Waze ou Google Maps (aplicativos de navegação) você precisa, ao menos, inserir um endereço. Com o seu negócio e a sua carreira é a mesma coisa, é impossível chegar a algum lugar se você não sabe para onde está indo.


Mastermind: união de duas ou mais pessoas com propósitos semelhantes. Ninguém chega a lugar nenhum sozinho. Ter amigos com quem compartilhar sucessos e fracassos é essencial no aprendizado e na caminhada. Você pode fazer reuniões formais com lugar, data e horário certos para acontecerem todos os meses ou pode convidar um amigo para um café, almoço ou jantar.


Autoconfiança: como falado no nível das crenças, acreditar em si mesmo é o primeiro passo para a realização dos seus objetivos.


Hábito de economizar: infelizmente, 65,3% dos brasileiros estão endividados. Isso reflete a falta do hábito de economizar na maior parte da população. Saiba que as maiores fortunas, foram construídas por pessoas que têm o hábito de economizar.


Iniciativa: iniciativa é sinônimo de ação. Não existe outro comportamento mais importante do que esse. Sem ação não saímos do lugar, ficamos estagnados.


Autorresponsabilidade: você é a única pessoa responsável pelos seus resultados obtidos até hoje. Existem coisas que conseguimos controlar e coisas que não estão sob o nosso controle. Para as primeiras, é mais do que sensato, assumirmos a responsabilidade dos resultados.


Autocontrole: as piores decisões são tomadas quando estamos fora de controle.


Hábito de fazer mais do que é pago para fazer: realizar mais do que o combinado é essencial para conseguir novos clientes e fidelizar os atuais.


Tirar proveito dos fracassos: existe um pressuposto da PNL que diz que não existem fracassos, apenas resultados. Às vezes, os resultados são bons e, outras vezes, são ruins. Nós nunca perdemos, ou nós ganhamos, ou aprendemos.


A regra de ouro: fazer aos outros, apenas o que gostaríamos que fizessem conosco.


A quinta lição de casa é criar um Mastermind, formal ou informal.


A sexta lição de casa é ler diariamente a fórmula da autoconfiança do livro Quem pensa enriquece. Veja a seguir:


Sei que possuo a capacidade para alcançar meu propósito definido na vida. Assim, exijo de mim uma ação persistente e contínua para atingi-lo e prometo, aqui e agora, começar a agir imediatamente.


Compreendo que os pensamentos dominantes da minha mente, a seu tempo, se manifestarão em forma de ação física, transformando-se gradualmente em realidade material. Assim, concentrarei meus pensamentos, por trinta minutos diariamente, na tarefa de pensar na pessoa que tenciono ser, criando uma clara imagem mental do resultado.


Sei que, pelo princípio da autossugestão, qualquer desejo que eu guardar com persistência em minha mente acabará por encontrar um meio prático de expressar-se, a fim de atingir o objetivo por ele apoiado. Assim, devotarei dez minutos do meu dia para exigir de mim o desenvolvimento da autoconfiança.


Escrevi claramente uma descrição do meu alvo principal definido na vida e nunca deixarei de tentar alcançá-lo, até desenvolver autoconfiança suficiente para isso.


Percebo com clareza que nenhum bem ou posição pode perdurar, a menos que seja construído sob verdade e justiça. Assim, não participarei de transação que prejudique qualquer pessoa. Obterei êxito atraindo para mim as forças que quero usar e a cooperação de outras pessoas. Induzirei os outros a me servirem por meio do meu desejo de servi-los. Eliminarei hostilidade, inveja, ciúme, egoísmo e cinismo, desenvolvendo amor por toda a humanidade, porque sei que uma atitude negativa em relação aos outros jamais poderá trazer-me sucesso. Farei os outros acreditarem em mim, pois acreditarei neles e em mim.


A sétima lição de casa é definir e aplicar um método para economizar dinheiro.


A oitava lição de casa é escrever três coisas boas que resultaram de fracassos.


A nona lição de casa é escrever diariamente, ao fim do dia, três acontecimentos do seu dia pelos quais você se sente grato.


Ambiente


Mesmo sendo o último da lista, o ambiente é de suma importância para a realização dos nossos negócios.


A seguir, uma lista com 9 fatores importantes para você levar em consideração sobre o ambiente.


Ponto comercial: o endereço do seu negócio deve estar alinhado com o posicionamento estratégico. Por exemplo, se você pretende focar em público de alta classe social, opte por bairros nobres, locais reservados, etc.


Ambiente: cuide para que o ambiente sempre transmite uma imagem de confiança e segurança, mesmo os detalhes que não são exigidos em normas e regras dos órgãos de regulamentação, as pessoas gostam disso.


Perfil do público: é preferível se posicionar com relação ao público que você quer atingir, do que tentar conquistar a todos. Nenhuma empresa no mundo, exceto quando existe monopólio, consegue atender 100% da população.


Estacionamento: é um ponto que tem grande impacto no negócio. As pessoas preferem ir a lugares onde tenham facilidade de conseguir uma vaga para estacionar o carro.


Fluxo de pessoas: se o seu posicionamento for para atender pessoas de baixa renda, opte por lugares onde o fluxo de pessoas seja alto.


Legislação: cuide com as leis do seu município. Algumas cidades tem regras específicas.


Segurança: escolha um local que seja seguro para os seus clientes.


Acessibilidade: assim como o estacionamento, a facilidade de acesso facilita muito os negócios. Opte por locais que sejam perto de avenidas principais, que tenham facilidade de ônibus, metrô, etc.


Estudo de mercado: conheça o seu mercado. Saiba aonde está pisando. Verifique o tamanho da população, IDHM, renda familiar, concorrentes, sazonalidade, etc. Clique aqui para acessar o estudo de mercado Odontologia Brasileira em Números - 1970/2020.


A décima lição de casa é estudar o mercado.



10 Lições de Casa


  1. Descubra qual é o seu propósito.

  2. Faça as declarações de quem você quer ser nos principais papéis da sua vida.

  3. Identifique e ressignifique as suas crenças limitantes.

  4. Leia o livro A Lei do triunfo ou Quem pensa enriquece.

  5. Crie um Mastermind formal ou informal.

  6. Leia a fórmula da autoconfiança diariamente.

  7. Defina e aplique um método para economizar dinheiro.

  8. Liste 3 coisas que são consequências de fracassos.

  9. Liste, diariamente ao fim do dia, 3 acontecimentos pelos quais você se sente grato.

  10. Estude o seu mercado.


#inteligênciadenegóciosnaodontologia #odontologiabrasileiraemnúmeros

0 visualização